Documento Digital x Documento Físico

Primeiramente iremos explicar o que é um documento físico e o que é um documento digital.

O documento físico é aquele que se materializa em um suporte de papel. Já um documento digital, nada mais é do que um documento armazenado em um suporte eletrônico, independente da tecnologia utilizada para tal.

A diferença básica entre o documento físico e o documento digital, consiste na sua forma de materialização.

Quanto à legalidade jurídica:

O documento físico possui o reconhecimento jurídico por sua materialidade e a sua inalterabilidade.

Não há equiparação legal entre o documento físico original e um documento digitalizado.

A Lei 12.682/2012, não equiparou os documentos digitalizados com certificação digital aos documentos físicos originais.

Agora, se o documento for produzido integralmente por meio eletrônico e com assinatura digital, é considerado legal juridicamente. Sendo assim, é desnecessária a guarda do documento em meio físico.

Mesmo assim, os documentos digitais estão substituindo os físicos:

Pesquisas sempre nos mostram que os documentos físicos estão sendo cada vez mais substituídos por arquivos digitais, mesmo diante do fato de possuirmos toda a nossa história de mais de quinhentos anos, armazenados em documentos de papel.

Já dizia Bill Gates, há anos atrás, que as companhias de sucesso do futuro seriam as que utilizarem ferramentas digitais para reinventar sua maneira de trabalhar, convertendo os documentos de papel em arquivos digitais.

“O papel estará conosco infinitamente, mas sua importância como meio de encontrar, preservar e distribuir informação já está diminuindo(…) À medida que os documentos ficarem mais flexíveis, mais ricos de conteúdo de multimídia e menos presos ao papel, as formas de colaboração e comunicação entre as pessoas se tornarão mais ricas e menos amarradas ao local onde estão instaladas”. (Bill Gates)

Os recursos eletrônicos, na maioria dos casos, suprimem as reais limitações verificadas com o uso da documentação física, que é o papel, tornando o documento mais seguro, confiável e seu armazenamento e recuperação mais bem administrados, bem como sua transmissão eficiente, rápida e segura.

O trabalho com documentos digitais tende a ser mais fácil do que com o papel, permitindo que possamos transmitir informações de forma instantânea e recebê-la de volta quase que de imediato. Por isso, as organizações estão substituindo o papel pelo armazenamento eletrônico de documentos em redes, permitindo cada vez mais agilidade na obtenção da informação.

As vantagens do documento digital

  • Maior celeridade em sua elaboração, bem como redução de custos de impressão;
  • Arquivamento de forma simples e fácil recuperação de dados;
  • Alta capacidade de armazenamento, sendo seu custo reduzido;
  • Retorno às exigências ecológicas e de tutela do meio ambiente;
  • Duplicabilidade imediata, não havendo a figura da cópia;
  • Transmissão imediata;
  • Dificuldade de fraude, mediante mecanismos que a impeçam;
  • Capacidade de resistência ao envelhecimento e deterioração.Preservacao_documentos_digitais_kodak

-Preservação da fauna e flora do planeta, minimizando desmatamentos para abastecimento da indústria de papéis.

Os documentos tradicionais, apostos em papel, não mais correspondem às necessidades rápidas de agilidade na circulação das informações. São evidentes as suas limitações, nos dias atuais, seja no que se refere à simples conservação, transmissibilidade ou segurança.

Como sabemos, o documento tradicional é feito por meio corpóreo, isto é, lançado no papel em forma escrita e assinado pelas partes. Já o documento eletrônico tem várias formas, não podendo ser classificado como escrito. Ele pode ser representado por desenho, som, vídeo ou tudo aquilo que representar um fato e que esteja armazenado em um arquivo digital.

 

Fonte: http://www.ambito-juridico.com.br

Saiba quais são os seus direitos quando compra pela internet!

1445270981815-e-commerceSomos em torno de 53 milhões de “e-consumidores” fomentando o mercado nas mais diversas categoriais, tendo destaque o setor da cultura, da informática, dos eletrônicos, do vestuário e calçados.
Com esta quantidade de transações online, e todo dinheiro que está sendo envolvido, é preciso ficar atento às empresas que não vem cumprindo o que a lei determina.

Vejamos as principais alterações, que você consumidor, precisa saber após o decreto federal nº 7.962/13.

As lojas virtuais estão obrigadas:

1- A disponibilizar em local de fácil visualização em sua página, todos seus dados, tais como: o nome empresarial, número de inscrição sendo o CNPJ ou CPF para os casos de venda por pessoa física e endereço de onde está localizada a loja ou escritório da empresa.

2- Anunciar de forma clara o preço, custo do frete ou cobrança de seguro, bem como as condições integrais da oferta constando as modalidades de pagamento, disponibilidade, prazo para execução do serviço ou para a entrega do produto;

3- Apresentar o contrato de compra ou de fornecimento de serviço no momento em que o cliente faz o pedido, tendo este contrato que ficar disponível para consulta a qualquer tempo pelo consumidor após a compra;

4- Passar a responder qualquer solicitação do consumidor dentro de até cinco dias, com uma resposta satisfatória;

5- Permitir que o consumidor cancele sua compra, desde que o comprador comunique o desejo de cancelamento da compra no prazo de sete dias a contar da assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço;

6- Deverá estornar o valor da compra, em caso de desistência pelo consumidor.

A determinação tem o intuito de diminuir as desagradáveis surpresas que o cliente possa vir a ter, já que muitas das vezes ele desconhece a empresa que está vendendo o produto.
Fique atento caro consumidor, são poucas as empresas que estão cumprindo com as novas determinações!